gatilhos mentais

Gatilhos mentais, saiba porque incluir em sua estratégia

Tomar uma decisão nem sempre é um trabalho fácil, principalmente quando as implicações recaem diretamente em nossas vidas e negócios. Não são todas as decisões que precisamos pensar nos mínimos detalhes. Até porque se isso acontecesse a probabilidade de ocorrer um esgotamento mental é muito grande. Dessa forma, nosso cérebro trabalha para que decisões mais simples sejam tomadas de forma automática. Esse filtro natural que possuímos é chamado de gatilhos mentais e são os responsáveis pela homeostase da mente e corpo.

Veja também: inteligência emocional: o que é e como aplicar no trabalho.

 

gatilhos mentais

 

Como os gatilhos mentais funcionam?

Os gatilhos mentais servem, principalmente, para que não seja gasto energia desnecessária com tomadas de decisões que poderiam ser feitas de forma rápida. Em um âmbito geral as decisões demandam pouca energia. A decisão de andar, por exemplo, é feita de forma consciente e, a partir daí, o cérebro se encarrega de mandar os impulsos necessários para cada passo. Cada ato feito de forma automática faz com que o cérebro seja capaz de destinar ações e informações para os locais que estão realmente necessitando de energia.

Uma tomada de decisão mais rápida e assertiva faz com que o cérebro consiga assimilar com facilidade as informações. Pois, quanto mais complexa for a situação mais análise demandará e – em algumas ocasiões – faz com que esse raciocínio seja mais confuso. Dessa forma, quando os gatilhos mentais são usados da forma certa é mais provável que você mantenha a homeostase do seu corpo e, consequentemente, não eleva os níveis de estresse.

Tipos de gatilhos mentais

Existem vários gatilhos mentais que podem ser listados e analisados. Para você conhecê-los separamos quatro que são muito usados no marketing e você pode (e deve) basear-se neles para sua estratégias.

  • Gatilho mental de escassez

É a máxima de “depois que perdeu foi dar valor”. Isso acontece porque nos acostumamos com determinadas situações e só sentimos a falta dela quando perdemos. É completamente normal, pois perde-se a qualidade de novidade depois de um tempo.

Essa estratégia é muito utilizada no marketing como sentimento de exclusividade (ou escassez). Por exemplo, empresas que colocam produtos em edição limitada para aumentar o valor agregado neles.

  • Gatilho de urgência

É muito provável que você não precise do produto, mas a sensação de urgência passada faz com que a compra seja feita por impulso. Por exemplo, ofertas relâmpago ou black friday cumprem muito bem o papel de gatilho mental de urgência.

  • Gatilho de novidade

Novidades atraem até os menos engajados. Imagine um produto muito parecido com a versão anterior, porém com algumas funções a mais (mesmo que a diferença seja pouca). Toda melhora mexe com o imaginário do público e causa a sensação de necessidade.

Para colocar em prática na estratégia de marketing é necessário que a novidade seja, de fato, uma novidade. Pois, senão será apenas mais um produto no mercado que estará concorrendo com outras marcas que já estão no mercado há tempos.

  • Gatilho da prova social

O consumidor tem a necessidade de se sentir exclusivo, portanto para ativar o gatilho da prova social é necessário ter algo que se diferencie dos outros. Se não, por que ele compraria o seu e não do seu concorrente?

Um boa forma de contornar esse problema é mostrando resultados através de números. Como seu produto ou serviço trará benefícios para quem comprar.

 

EADSummit

Eadsummit


Categorias