gestão do conhecimento na prática nas empresas

Gestão do conhecimento na prática nas empresas: comece a aplicar agora6 min read

Quando se trata de gestão do conhecimento na prática nas empresas (GC) (ou do inglês knowledge management) deve-se pensar em um conjunto de processos.

Eles tem por objetivo dar suporte à criação, a transferência e a aplicação do conhecimento.

É uma forma de disseminar saberes necessários para todas as tarefas relacionadas ao mercado que a empresa atua, sempre visando o cumprimento e aprimoramento constante dessas atividades

Para que a gestão do conhecimento na prática seja efetiva, a companhia precisa de alguns pré-requisitos.

Gerir conhecimento implica em, necessariamente, possuir conhecimento acumulado para ser compartilhado.

Para conseguir material humano capacitado para a rotina dos negócios, as empresas têm investido na formação e na qualificação de seus quadros.

O foco é gerar conhecimento e tecnologias capazes de qualificação de seus quadros.

Com tal desenvolvimento da educação corporativa, consequentemente o nível de cultura organizacional cresce.

Nesse caso, também aumenta o conhecimento acumulado na organização.

Prover a infraestrutura necessária para o desenvolvimento de uma metodologia de gerenciamento do conhecimento é outro aspecto fundamental para a eficiência de tal filosofia.

Para fazer a gestão do conhecimento na prática nas organizações é preciso ter um aculturamento de compartilhamento e disseminação dos conhecimentos.

Isso depende também do ambiente organizacional e da acessibilidade de todos os níveis da organização.

Veja nesta postagem como implantar a gestão do conhecimento na empresa.

Construindo a gestão do conhecimento na prática nas empresas

Quaisquer iniciativas adotadas por uma empresa com uma cultura competitiva que evita o compartilhamento de conhecimento estão fadadas ao fracasso.

A gestão do conhecimento na prática das organizações deve atuar como facilitador de tal troca de material, já que o conhecimento é algo sempre inerente ao ser humano.

Ele só não se vai se dissipar da empresa se for constantemente trocado entre os colaboradores.

Detectar o conhecimento é o primeiro passo para tal compartilhamento. Sem isso, não há como implantar a gestão do conhecimento na empresa.

Para isso, é preciso saber as fontes de conhecimento existentes, bem como procurar conhecimentos ocultos em dados e informações já disponíveis.

Tal sabedoria reside principalmente dentro da organização, mas pode vir de fontes como clientes, fornecedores, entre outros.

Gerenciar documentos, informações sobre formação e qualificação de colaboradores, dados, números, é um trabalho que tem recaído principalmente sobre os setores de TI (Tecnologia da Informação).

O desenvolvimento da tecnologia proporciona ferramentas (softwares) poderosas na análise e seleção de dados relevantes ao negócio.

Todos estes aspectos da gestão do conhecimento na prática levam à necessidade de uma forma de avaliação e mensuração.

Para isso, é necessário haver formas de categorização, indexação e avaliação de ativos de conhecimento organizacional.

Este é outro ponto em que o setor de TI é importante.

Pois, como já citamos neste texto, a sua capacidade de análise de dados é incomparável.

Além de dispor de mecanismos complexos de categorização e recuperação para organizar ativos de conhecimento de várias maneiras.

Veja também: Treinamento e desenvolvimento de pessoas.

Aspectos importantes na gestão do conhecimento

O processo mais importante na gestão do conhecimento na prática nas empresas é a reutilização do conhecimento para a criação de novo conhecimento.

Segundo especialistas, tal fenômeno depende principalmente da consciência do conhecimento.

Desde o seu acesso e da orientação no processo de partilha até a integralidade das fontes.

Por isso, sistemas de TI em gerenciamento de conteúdo são extremamente importantes.

A cultura organizacional é particularmente importante nesta área também.

Tal ambiente deve ser modelado de forma a propiciar a constante troca de informações e matérias.

Deve privilegiar o questionamento e a constante busca pela inovação e evolução dos processos.

Por isso, a GC anda conjuntamente com a corrente holística de administração, que põe em primeiro plano o capital humano.

A cultura é essencial porque tal circulação depende da socialização.

Veja também: A importância de avaliar e medir o clima organizacional

Mapear para planejar

Outro aspecto relevante é saber planejar o uso de tais sabedorias.

O mapeamento e a modelagem de conhecimento colocam desde o produtor intelectual até o receptor no processo de criação.

Eles devem estar envolvidos na preparação e na reutilização de tais conhecimentos.

Esse processo depende da colaboração e acesso a informações e dados relevantes por diversos níveis empresariais.

A criação de conhecimento é uma interação entre sabedoria e descoberta.

Em outras palavras, é colocar o conhecimento em prática, de acordo com especialistas na área.

O conhecimento só se consolida em uma organização se houver tentativa e erro, se houver teoria em uso.

Buscar fontes externas é outra prática salutar da gestão do conhecimento.

A empresa pode, e deve, adquirir conhecimento externamente de clientes, fornecedores, concorrentes, parceiros, etc.

O papel da gestão do conhecimento na prática é buscar os canais certos para transferir o conhecimento relevante das parcerias existentes para a empresa.

Mas apenas isso não basta, é preciso também integrar esse conhecimento da melhor forma possível.

Para isso é necessária a interação e a socialização, bem como o envolvimento de parceiros em certos processos organizacionais.

A criação de sistemas de incentivos também podem gerar ativos valiosos para uma organização.

Veja também: Desenvolvimento de líderes: 10 dicas imperdíveis para você.

Como implantar a gestão do conhecimento na empresa e seus objetivos

O uso do conhecimento em favor dos objetivos é um processo que leva em conta certos fatores.

A identificação, a sustentação, a construção de conhecimentos e termina com a sua obsolescência.

E a gestão de conhecimento é a principal responsável por este processo.

Identificar o que a empresa sabe e qual é sua principal experiência, aproveitar os ativos de conhecimento da organização, construir o know-how e os conhecimentos necessários para corresponder aos objetivos e, por fim, isolar o conhecimento obsoleto, são as principais fases do uso efetivo do conhecimento.

Para se chegar a tal nível de consciência organizacional, são necessárias algumas etapas que envolvem uma fase de ajuste, em que é feita uma avaliação das necessidades e práticas de trabalho, de custo-benefício, de nível de conhecimento acumulado.

  • Aceitação: em que os colaboradores de todos os níveis percebem a necessidade de acumulo e troca de informações;
  • Reconhecimento: na qual os funcionários percebem os benefícios da gestão do conhecimento e passam a emprega-lo de maneira praticamente espontânea.

Estas etapas elevam o nível de consciência de todos sobre a necessidade, a validade e a efetividade dos conhecimentos empregados em todos os processos produtivos de uma empresa.

A gestão do conhecimento deve ser um processo que se espalha por toda a organização.

O seu âmbito é difícil de definir e os seus efeitos são muitas vezes imensuráveis, mas se devidamente implementado, é um investimento que vale pois promove a eficiência, a aprendizagem, a inovação, o que traz inúmeras vantagens competitivas a organização.

O ensino a distância também pode ter um papel fundamental na gestão do conhecimento. Ele pode auxiliar a disseminação do conteúdo para os colaboradores da empresa.

 


Categorias