Inovação, criatividade e Educação

Inovação = Criatividade + Educação

Os primeiros colocados no “The global innovation index 2013” (vide página 22) – criado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual para medir os países que mais produzem patentes – são também algumas das nações mais ricas do planeta.

Este fato demonstra que quem investe em criatividade é mais competitivo. Isso ocorre porque frequentemente aquele que inova está também entre os donos das linhas de produção que irá replicar o produto ou o serviço originado pela patente, mundo afora.

Por isso, a necessidade de criar um sistema de educação para a inovação é importante para as empresas, principalmente no Brasil, país que ocupa apenas a 64ª posição no referido ranking. Mas para produzir essa cultura da criatividade, no entanto, as empresas precisam investir em:

* Gestão da inovação: refere-se ao ato de incorporar a inovação à cultura empresarial. Este passo requer um grande esforço, que geralmente é recompensado no futuro quando a sua empresa obtiver os polpudos resultados do investimento na criatividade;

* Educação executiva: a inovação não é uma característica presente em apenas alguns indivíduos especiais que nascem um tipo de “dom”. Pelo contrário, ela é resultado de treinamento. Quanto mais um indivíduo é exposto a um ambiente de criatividade, mais ele incorpora os fundamentos que a compõem. Desse modo, a educação executiva é essencialmente importante para a gestão da inovação em uma empresa, podendo ser inserida por meio de cursos convencionais, de cursos EAD ou de ambas as formas.

Enfim, quanto mais inovação uma empresa desenvolve, mais avanço tecnológico e mais riqueza ela produz para si mesma e para o seu país, como pode ser observado no ranking “The global innovation index 2013”, o que se traduz em maior competitividade no mercado.

Categorias