acelerador digital

O infoprodutor que inicia um empreendimento e vê seus produtos digitais serem bem aceitos e comercializados tem o instinto natural de considerar todo o dinheiro que entra no caixa como sendo seu.

Mas, infelizmente, não é.

Os recursos que entram devem ser utilizados para honrar uma série de compromissos da empresa (como custos fixos, despesas operacionais, impostos etc.), além de reinvestir no próprio negócio, para que as vendas continuem e possam crescer ainda mais.

Mas, então, de onde vem a remuneração do infoprodutor?

É aqui que entram dois conceitos importantes – pró-labore e retirada de lucro -, sobre os quais vamos conversar neste conteúdo, explicando direitinho o que é cada um deles e a diferença entre ambos.

O que é pró-labore?

Basicamente, é o salário mensal do infoprodutor, mas com algumas diferenças em relação à remuneração de quem é contratado com carteira assinada (CLT).

A principal delas é que não há incidência direta de impostos ou contribuições sobre o pró-labore. O valor bruto definido vai para a conta Pessoa Física do infoprodutor.

No entanto, para efeito de aposentadoria, o sócio do empreendimento digital deve fazer o pagamento da contribuição mensal para a previdência social por conta própria, de acordo com a tabela vigente do INSS.

Da mesma forma, é obrigado a recolher mensalmente o Imposto de Renda Pessoa Física, efetuando o pagamento do Carnê Leão.

Para isso, deve somar ao pró-labore os valores de todas as fontes de renda extra que possui (como aluguéis, rendimentos financeiros sobre investimentos etc.) e aplicar a alíquota correspondente da tabela do IR.

É importante ressaltar que a legislação não determina que o pró-labore tenha algum valor predeterminado. A remuneração é definida exclusivamente pelo infoprodutor e os sócios, caso existam. A única restrição é que não pode ser inferior a um salário mínimo vigente.

No entanto, ao determinar o valor do seu pró-labore, o infoprodutor deve levar em conta as obrigações do caixa de sua empresa digital, a fim de evitar inadimplência com os compromissos assumidos.

Da mesma forma, é importante reservar parte dos recursos disponíveis para investir no próprio negócio e viabilizar o seu crescimento.

Essa recomendação é especialmente válida no início das atividades, quando o infoprodutor sente-se compelido a reter para si mais dinheiro do que deveria, inflando suas finanças pessoais como forma de compensar o esforço e dedicação empreendidos até então.

O ideal é que o valor do pró-labore seja suficiente para cobrir as despesas pessoais, evitando exceder as necessidades mais imediatas. 

Por isso, nessa hora, é preciso ser racional e não se deixar levar pela tentação! 

Qual é a diferença entre pró-labore e retirada de lucro?

A retirada de lucro, ao contrário do pró-labore, somente é paga após o fechamento do período contábil do empreendimento digital, o que normalmente acontece uma vez por ano.

Obviamente, só haverá o pagamento se ficar constatado, no fechamento das contas, que o negócio efetivamente apresentou lucro, mantendo o controle financeiro da empresa.

Os lucros são pagos de acordo com o percentual de participação dos sócios indicado no Contrato Social. Se o infoprodutor não possui sócios, ele tem direito a 100% do montante.

Retirada do lucro apenas com o aval da Contabilidade

Como vimos, existem apenas duas maneiras legais de o infoprodutor ser remunerado pelo trabalho que desenvolve em seu empreendimento digital.

A primeira é o seu “salário mensal”, que chega sob a forma do pró-labore. A outra é a retirada do lucro.

No entanto, nesta última, é preciso ter a palavra final da Contabilidade para poder receber os recursos a que tem direito, a fim de manter saudável o planejamento financeiro do negócio.

A questão é que nem sempre o resultado apontado nos livros contábeis como sendo o lucro do negócio digital está disponível no caixa.

Pode acontecer, por exemplo, de o infoprodutor ter faturado um valor que ainda não foi recebido ou que ainda não foi lançado na Contabilidade.

Em outra situação, o pagamento de uma determinada despesa ou tributo pode estar indicado nos livros, mas, na realidade, ainda não foi feito.

Entendendo melhor: para calcular o lucro, verifica-se a soma das receitas obtidas com a venda dos diferentes tipos de infoprodutos que a empresa oferece, subtraindo as despesas fixas, despesas variáveis e os impostos.

Esse cálculo acontece dentro do que, em Contabilidade, é conhecido como Regime de Competências. Assim, o contador diferencia os valores que estão no caixa daqueles relativos às competências contábeis.

Isso ocorre porque o lucro contábil não é calculado através do fluxo financeiro do dia a dia, uma vez que é feito por competência dos lançamentos de entradas e saídas feitos nos livros.

Portanto, somente quando os valores efetivamente presentes no caixa se alinham aos números indicados pelos livros contábeis, o infoprodutor pode ter acesso, com aval da Contabilidade, ao lucro realizado pelo seu empreendimento digital.

Prioridade à saúde financeira do negócio digital

Apesar de ter direito à retirada de lucro, o infoprodutor deve ponderar se o momento é adequado para fazê-lo.

Ao manter pelo menos uma parte desse recurso na empresa, o sócio permite que o caixa “acumule gordura” para que as contas permaneçam em dia e, principalmente, para investir em estratégias que mantenham o processo de vendas em alta, visando o crescimento do empreendimento.

Essa conscientização financeira, faz com que o infoprodutor tenha mais segurança para fazer retiradas do lucro mais polpudas no futuro, em um momento de maior tranquilidade financeira para a empresa.

Dessa forma, só tem a ganhar: estará garantindo melhores condições de expansão para o seu negócio, ao mesmo tempo em que se sentirá mais seguro para ter acesso a esses recursos, sabendo que a sua “galinha dos ovos de ouro” está bem alimentada e protegida.

Todos os assuntos relacionados a pró-labore e retirada de lucro, como já foi dito, devem ser tratados pelo olhar profissional de um contador.

A PJ Plus, parceira da HeroSpark, é um escritório de Contabilidade especializado em negócios digitais, que trabalha no sentido de auxiliar os infoprodutores em sua jornada de iniciar, viabilizar, crescer e consolidar a sua empresa no mercado.

Dessa forma, o empreendedor pode dar foco total às atividades essenciais do seu negócio digital, sem perder de vista o retorno financeiro que espera alcançar.

herospark-bottom-banner-venda-seu-produto-digital

Categorias