royalties de franquias

Royalties de franquias: entenda o que são e como são cobrados

Compreender o que são os royalties de franquias é essencial para aqueles que já trabalham na área ou desejam investir nesse mercado crescente. Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising, a receita do setor foi de R$ 163 bilhões em 2017. Para 2018, a previsão é de que os números sejam ainda maiores. Isso acontece porque abrir o próprio negócio é o objetivo de muitos empreendedores. Nesse aspecto, são vários os que optam pela abertura de franquias ao invés de investir em uma nova marca.

Ao tratar desse assunto, surgem dúvidas frequentes. “O que são os royalties de franquia?” e “como são calculados – e divididos – os lucros entre franquia e franqueado?”, por exemplo. Esses são tópicos que serão esclarecidos ao longo do nosso post

Já possui uma franquia? Talvez você se interesse pelo nosso Manual do Franqueado

royalties de franquias

O que são os royalties de franquia?

Para utilizar de todos os benefícios oferecidos por uma marca já consolidada, o franqueado precisa investir de forma contínua. Os royalties de franquias são as prestações (normalmente mensais) que os franqueados pagam para as franqueadoras a fim de garantirem a licença de uso dessa marca/instituição/produto.

Ao investir em uma franquia, o franqueado passa a ter direito de tudo o que envolve a marca. Desde a sua identidade, passando pela operação, divulgação, ambientação, gestão, etc. É uma espécie de “copia e cola” da marca, que precisa manter seu padrão.

Investir em uma empresa já consolidada garante uma grande chance de sucesso ao franqueado. Isso porque ele já recebe uma instituição pronta. Dependendo do caso, essa identidade já possui seguidores e fãs espalhados ao redor do mundo.

Porém, apesar de ser um mercado já consolidado, as leis que envolvem os royalties de franquia oferecem liberdade. Cabe a marca em questão definir como serão feitas as cobranças.

Como são cobrados os royalties?

A Lei de Franquia Brasileira (Lei 8.955/94) estabelece regras, mas não determina de forma específica a cobrança de royalties. Sendo assim, é o franqueador quem define essa questão. Os formatos de mais comuns são:

  • Percentual sobre o faturamento mensal: a franqueada paga ao franqueador sempre a mesma percentagem. Porém, o valor final varia de acordo com o rendimento bruto de cada mês, ou seja: é necessária uma fiscalização contínua do franqueador;
  • Valor fixo: todo mês o franqueado paga o mesmo valor para o franqueador – independentemente da sua taxa de lucros ou perdas;
  • Maior valor entre percentual e fixo: nesse formato, o franqueador recebe um piso (valor fixo) e mais um percentual sobre o faturamento. Cabe ao franqueado pagar o maior valor entre eles em determinado mês. Neste modelo, o franqueado é motivado a sempre aumentar o faturamento, pois assim ele paga uma fatia menor em relação ao lucro;
  • Percentual sobre a compra compre feita pelo franqueado: nesse formato de cobrança, o franqueado paga por aquilo que compra, independentemente se terá 100% de consumo/utilização. Esse formato dispensa a fiscalização sobre o faturamento do franqueado, e por isso é a escolha de certas franquias.

Franquias, um mercado em crescimento

Mantendo-se em expansão, o mercado de franquias ultrapassa as barreiras da geografia – e aí está o seu grande valor: possuir uma marca/identidade que é reconhecida nacional ou até mundialmente.

Apesar de não existirem leis específicas quanto ao valor e forma de pagamento dos royalties, vale lembrar que: é importante estar atento à legislação de cada município na hora de implantar a franquia. Cada local possui regras específicas.

Se interessou pelo mercado de franquias? Agora que você já sabe como funcionam os royalties de franquias, pode começar a se aventurar nessa área!

CTA Produtividade

banner ebook produtividade

 


Categorias